• Redação

Juiz mantém prisão de Alcide Filho suspeito de estuprar menor

A Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) cumpriu no início da manhã desta quarta-feira (08) um mandado de prisão preventiva contra o publicitário e apresentador de TV, Alcide Filho. Ele é suspeito de estupro contra um adolescente de 14 anos. Agora por volta do meio dia, o juiz da Central de Inquéritos, no Fórum Cível e Criminal, durante audiência de custódia, manteve a prisão preventiva de Alcides Filhos, por entender que não foi relatada violência ou abuso por parte dos policiais que efetuaram a prisão, considerando que ela ocorreu dentro da legalidade. Ele agora será encaminhado ao sistema prisional.


A prisão ocorreu no Centro da capital, na residência do investigado. De acordo com a delegada Lucivânia Vidal, titular da DPCA a vítima morava desde 2020 na residência de Alcide Filho, onde também funciona uma produtora, e auxiliava o publicitário na edição de materiais audiovisuais. Os abusos teriam começado em 2021, no interior do imóvel.


A delegada informou que a família da vítima passava por problemas financeiros, e por isso o adolescente foi morar com o jornalista. Os estupros iniciaram em 2021, e não aguentando mais, ele pediu demissão e informou para a mãe sobre o que acontecia. Ela então denunciou o caso a DPCA em abril deste ano.


"O adolescente morava com ele, e a denúncia foi feita após ele sair do local. Ele cuidava do adolescente, porque a família dele tinha problemas financeiros e ele foi para lá, trabalhar na produtora, porque na pandemia, ele montou a produtora no apartamento. O adolescente então foi trabalhar lá", explicou a delegada Lucivânia Vidal.


Nesta quarta-feira foi cumprido um mandado de prisão preventiva e também um de busca e apreensão no apartamento do apresentador, onde foram coletados vários objetos, como o celular do acusado. De acordo com a delegada, a família conseguiu apresentar várias provas.


"Não posso dar detalhes sobre as provas colhidas, mas todas as provas foram harmônicas. Haviam provas robustas, que geraram a prisão preventiva", destacou.


Chegou a ser divulgado que a família não teria denunciado o caso, porque o apresentador cedia o cartão de crédito para ajudar a vítima, mas essa informação foi negada pela delegada.


"O acusado queria reverter a situação, a denúncia, então alegou várias coisas que não foram provadas. A vítima tinha acesso ao cartão de crédito para fazer compras para o acusado, porque eles moravam juntos", explicou.


A delegada disse que o apresentador tinha um poder sobre o adolescente, e que não existem provas sobre outras vítimas.


"Não existiu na minha investigação outras vítimas. Não é que não há suspeita, mas pela minha experiência, pessoas que fazem abusos contra crianças, existe um modo operanti. Na investigação percebemos que ele tinha um poder sobre a vítima. A partir do momento que o adolescente foi trabalhar na produtora, dormindo lá, ele começou a exercer esse poder de controle, que às vezes o pai exerce sobre os filhos, com a disciplina. Com o passar do tempo ganha confiança e aí já tem uma certa má intenção, e diminuiu a resistência da vítima.


Existem relatos que a vítima trabalhava de domingo a domingo, e aí já começou a diminuir, já que a vítima dependia financeiramente dele, a vítima estava na mão do acusado. Eles tinham uma relação de cuidado, não existe um parentesco. O acusado queria inclusive adotá-lo.", disse Lucivânia Vidal.


Além do estupro, a DPCA também investiga se havia exploração do trabalho infantil, uma vez que, em depoimento, o adolescente informou que trabalhava de domingo a domingo na produtora de vídeo de Alcide Filho.


"O boletim de ocorrência foi registrado pela mãe do adolescente no final de abril. Foi aberto o inquerito policial, colhidos elementos que subsidiaram o pedido de prisão, existindo fortes indícios que demonstram a veracidade dos fatos alegados, inclusive depoimento de familiares do acusado", informou o delegado Mateus Zanata, gerente de Polícia Especializada.


Imediatamente após a prisão, o apresentador foi encaminhado para audiência de custódia e está à disposição da Justiça.


Com informações Cidadeverde

0 comentário