CPI dos Transportes: “Trabalhadores estão sendo obrigados a cometer crimes”, diz Dudu

A CPI do Transporte Público deu início às oitivas na Câmara Municipal de Teresina, nesta quarta-feira (18), com a presença do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Rodoviário do Piauí (Sintetro).


Após a reunião, o vereador Dudu (PT), ao falar com a imprensa, disse que os empresários do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) obrigavam os funcionários a cometer crime de falsidade ideológica. Dudu é presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Transporte Público na Câmara Municipal.




“O sindicato fez várias denúncias graves, de trabalhadores que estão sendo obrigados a inclusive cometer crimes de falsidade ideológica. Quando você assina um recibo, uma questão trabalhista e você não teve aquele direito resguardado, é forçar a barra para que o trabalhador cometa um crime”, destacou Dudu.


O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários (Sintetro), Ajuri Dias, contou que desde o mês de março de 2020 os empresários reduziram os salários dos funcionários e deixaram de pagar os benefícios como ticket alimentação e plano de saúde.

“O Setut recebeu o reajuste na tarifa e recebia da prefeitura o valor reajustado e diminuiu os salários dos trabalhadores e pagava um salário inferior, de R$ 1.941, quando eles pegaram na tarifa 4.48 que o salário deveria ser R$ 2.039. A partir daí não pagaram os salários de forma devida e nem os benefícios. Fizeram adesão à MP, não pagavam os benefícios que a MP exigia e nem os salários como era para ser pago”, disse.


O presidente da CP afirma que a comissão não quer fazer "caça às bruxas", mas busca encontrar soluções para a questão.

0 comentário