Covid: pode faltar oxigênio para pacientes em Teresina, alerta fornecedor

A empresa responsável pelo fornecimento de oxigênio medicinal, White Martins, emitiu uma notificação para Fundação Municipal de Saúde sobre o uso do produto nos hospitais de Teresina.


Devido ao aumento de casos da Covid-19 e a demanda no número de pacientes nos leitos clínicos e nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), a empresa alerta para importância aumentar o fornecimento na capital.


“A UPA do Promorar e o Hospital do Monte Castelo precisam interligar seus compressores para reduzir o consumo de oxigênio que está muito alto, acarretando um excesso na demanda”, diz um trecho da notificação.


O documento esclarece ainda que, até a primeira quinzena deste mês de Março, já foram consumidos mais da metade de todo oxigênio contratado para os primeiros seis meses do ano. “ Por estas razões, solicitamos um acréscimo de 50% no valor do contrato para fazer frente ao excesso de consumo”, solicita.


O presidente da Fundação Municipal de Saúde, Gilberto Albuquerque, explica quais as medidas estão sendo adotadas por parte do município.


”Nós estamos em contato com várias empresas no país para ver a possibilidade de montarmos uma usina de oxigênio, estamos em busca de adquirir a maior quantidade possível de cilindros, além disso estamos tentando juntamente com White Martins o aumento da frequência do abastecimento dos nossos tanques de oxigênio“, disse o presidente.



0 comentário