Caso Iarla: Ex-tenente do Exército é condenado a 37 anos de prisão

Após 19 horas de julgamento, o ex-tenente do Exército, José Ricardo da Silva Neto, foi condenado a 37 anos e 4 meses de prisão pela morte da estudante Iarla Lima Barbosa, e por tentativa de homicídio contra a irmã e uma amiga da estudante.


O julgamento presidido pelo juiz Antônio dos Reis Noleto, da 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri da Comarca de Teresina, foi encerrado às 4h da manhã desta quinta-feira (25). O promotor Ubiraci Rocha representou o Ministério Público Estadual.


O ex-tenente participou do julgamento por meio de videoconferência direto de Recife (PE), onde está residindo. Familiares e amigos de Iarla Barbosa Lima realizaram manifestações em frente ao Tribunal Popular do Júri e cobraram a condenação máxima para o assassino da jovem.


O feminicídio


A estudante Iarla Lima foi morta com quatro tiros na madrugada do dia 19 de junho de 2017. O corpo foi encontrado dentro do carro do oficial no estacionamento do prédio onde ele morava. A irmã de Iarla levou um tiro de raspão na cabeça, enquanto a amiga da vítima levou um tiro no braço.


De acordo com a investigação da polícia, a discussão do casal começou em um bar da zona Leste de Teresina, por ciúmes. Após os primeiros disparos, Ilana conta que olhou para a irmã, já imóvel no banco do passageiro do carro. Foi neste momento que o tenente teria direcionado os tiros para as outras duas passageiras.


0 comentário